quarta-feira, 26 de julho de 2017

Travessia Festiva em Fortaleza

Cartaz da Travessia.

Sabe aquela pessoa que todos chamam de "boa praça", que é caloroso, simpático e confiável, bom companheiro ou camarada, capaz de despertar bons sentimentos?
Essa pessoa é o homenageado em questão, onde será promovida uma travessia em comemoração ao seu aniversário.

O Blog do Clube Águas Abertas deseja saúde, paz, sucesso e muitas braçadas para o nosso amigo Euler Pontes.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Ana Marcela é tri campeã mundial nos 25 km

Toda irreverência de Ana Marcela.  Foto Blog SantaPortal
A baiana venceu os 25 km cravando 5h21min58seg40, em segundo chegou a holandesa Sharon Van Rouwendaal com 5h22min00seg80 e fechando o pódio, a italiana Ariana Bridi com 5h22min08seg20. A outra brasileira na prova foi Betina Lorscheitter (sem tempo no site da FINA).
Clique AQUI para ver o resultado completo da prova feminina.

No masculino a vitória ficou o francês Axel Reymond com 5h02min46seg40, na segunda colocação chegou o italiano Matteo Furlan com 5h02min47seg00 e em terceiro lugar o russo Evgenii Drattev com 5h02min49seg80. O melhor brasileiro na prova, foi Allan do Carmo, o baiano chegou na 13ª posição com 5h66min55seg70 e nosso outro representante, Victor Colonese, ficou na 22ª colocação fazendo 5h27min14seg20.
Clique AQUI para ver o resultado completo da prova masculina.
Ana Marcela e sua medalha de ouro dos 25 km. do mundial de Budapeste. Foto Laszlo Balogh.
CONFIRA COMO FOI A PROVA DE ANA MARCELA

Enquanto a grande maioria optou pelo tradicional mergulho, ela foi na "bomba". Não hesitou em juntar as pernas ao cair na água.

- A largada é para descontrair, você não pode entrar em uma prova de cinco, seis horas, de uma forma tensa. Tem que entrar feliz, relaxada, a gente sabe que não da para ficar o tempo inteiro tensa. Aí dei a bomba para descontrair. Pintei o cabelo também, para divertir a galera, cheguei aqui todo mundo olhou para mim, perguntou se eu tinha mudado de novo o cabelo. Eu não sei qual cor que está agora depois da prova, era para ser vermelho e verde - disse, sorrindo.
Largada do tipo "bomba". Foto Satiro Sodré
Ana Marcela cadenciou muito bem a prova. Não saiu do primeiro pelotão em nenhum momento, mas passou os primeiros seis quilômetros em 21º lugar. Na metade da prova, nos 12,5km, ela era a 17º, mas menos de 20 segundos da líder. A partir do quilômetro 15, ela disparou, embalada por um pelotão de homens (a prova masculina foi disputada ao mesmo tempo no mesmo percurso de 2,5km) e, formou um pelotão de três atletas com, a campeã olímpica Sharon Van Rouwendaal, da Holanda, e Ariana Bridi, da Itália.
A medalha já estava praticamente garantida. Restava saber qual era a cor. Ana tinha duas de bronze na competição, Bridi um bronze, exatamente empatado com a brasileira nos 10km, e Sharon estava zerada. O trio fez os últimos quilômetros em linha. Na última curva, faltando cerca de 400 metros, Ana colocou por dentro nas duas e entrou com vantagem na reta final. Nadou bem os últimos metros e confirmou o ouro.

- Uma hora crucial foi a que a hora que juntou com os homens e eu conseguir ir junto. Fiquei sabendo que só tinha três mulheres, aí juntei energia durante alguns quilômetros e cresci no final - disse.                                                                                                              

A história de Ana Marcela nos Mundiais é extensa. Com o pódio desta sexta-feira somados aos bronzes nos 5km e 10km, são dez medalhas no total. Ana foi campeã dos 25km em 2011 (Shangai, China) e 2015 (Kazan, Rússia), foi prata nos 10km (Barcelona, Espanha) em 2013 e por equipes em 2015, além de ter levado o bronze nos 5km em 2013 e nos 10km em 2015. No Mundial de águas abertas em 2010 (Roberval, Canadá), ainda levou o bronze nos 5km.
Os últimos meses nao foram fáceis para Ana Marcela. No início do ano passado, Ana teve uma viróse séria e acabou internada por alguns dias. Na sequência, voltou e fez toda a preparação olímpica, mas acabou frustrada após a décima posição obtida na competição do Rio de Janeiro. Dias depois, fez a retirada do baço em cm uma cirurgia, ficou sem treinar por dois meses, e só começou a se dedicar para valer em janeiro deste ano. Há oito semanas, decidiu trocar de técnico, e voltou com Fernando Posseti, com quem viveu a melhor fase da carreira, entre 2013 e 2015.

O Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos envolve seis modalidades: saltos ornamentais, natação, nado sincronizado, águas abertas, natação, polo aquático e o high diving, que é o salto de plataforma alta. São mais de 2000 atletas presentes, e a delegação brasileira contará com 60 competidores.
Marcela na sua arrancada para a vitória. Foto Attila Kisbenedek
Ana Marcela comemorando o tricampeonato. Foto Satiro Sodré.
Ana Marcela beija põrtico de chegada. Foto Satiro Sodré.
Fonte: Site Globo Esporte por Guilherme Costa.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Revezamento do Brasil fica em 6° lugar

Allan do Carmo, Viviane Jungblut, Ana Marcela e Fernando Ponte. Foto Satiro Sodré
Em prova inédita em mundiais, o revezamento misto de 5 km do Brasil, consegue um bom resultado ficando com o 6° lugar. A vitória foi do time da França, seguido dos Estados Unidos e em terceiro a equipe da Itália.
Equipe francesa, a grande campeã do revezamento misto de 5km. Foto Giorgio Scala/Deepbluemedia
A prova é disputada da seguinte maneira, o time precisa ser formado por dois homens e duas mulheres, cada atleta nada 1.250m, a ordem dos atletas é determina pela própria equipe, os primeiros atletas de cada equipe largam da plataforma, o segundo nadador em diante, fica dentro da água em uma área determinada pela organização e só pode iniciar sua trajetória, após seu companheiro de equipe tocar na sua mão. A regra deixa a prova emocionante, pois muitos momentos da disputa, temos homens nadando contra mulher, a grande questão é a metragem, apenas 1.250m para cada atleta, dessa forma desfavorecendo os atletas que treinam para distancias de 10 km e 25 km.
O Brasil adotou a estratégia de iniciar e fechar a prova com os homens, ficando as duas mulheres no miolo da prova. Allan do Carmo foi nosso primeiro representante a entrar na água, e entregou a disputa na terceira colocação, depois Viviane Jungblut e Ana Marcela nadaram e deixaram o Brasil um pouco longe do pódio, no final Fernando Ponte forcou e o Brasil terminou a prova em sexto lugar. 

Confira os tempos das seis primeira equipes:
1° França 54min05seg90
2° Estados Unidos 54min18seg10
3° Itália 54min42seg90
4° Austrália 54min42min90
5° Gr Betanhia 54min51seg10
6° BRASIL 55min19seg60

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Ana Marcela, a indomável

Ana Marcela volta a nos dar orgulho, essa baiana indomável vai para o pódio novamente hoje, dessa vez na prova dos 5 km e leva o seu segundo bronze no 17° Mundial de Esportes Aquáticos da FINA, disputado no lago Balaton, localizado cerca de 130 km de Budapeste, capital da Hungria.
Ana Marcela bronze nos 5 km. Foto Satiro Sodré
Essa é nona medalha em mundiais de Ana Marcela (confira no fim da matéria, todas essas conquistas), aumentando seu recorde no Brasil, pois nenhum brasileiro é tão medalhando nesses mundiais da FINA, seja ele atleta de qualquer um dos cinco esportes aquáticos existentes (Natação, Polo Aquático, Nado Sincronizado, Saltos Ornamentais e as Maratonas Aquáticas). E esse recorde pode ser batido ainda nesse mundial, pois ela ainda cai na água nessa quinta-feira (20), na prova do revezamento de 5km, prova inédita em mundiais, pois anteriormente ela era disputada por três nadadores, uma mulher e dois homens, mas para esse a ano, a FINA inovou e colocou a disputada com quatro atletas, sendo dois de cada sexo, dessa forma Marcela terá a companhia de Viviana Jungblut, Allan do Carmo e Fernando Ponte; e na sexta-feira (21) ela entra no lago para nadar a prova dos 25 km. Ufa! Aja fôlego para essa baiana indomável.
 
Vitória no toque. Foto Satiro Sodré
COMO FOI A PROVA
Pela primeira vez Ana Marcela mudou sua estratégia de prova, após assistir a vitória do holandes Ferry Weetrman nos 10 km, adotou a mesma estratégia do holandês, iniciando a prova em um ritmo menos forte, ficando na parte de trás do pelotão e aumentando o ritmo no fim da prova. No final, Ana Marcela conseguiu o bronze em mais uma chegada eletrizante, vencendo no toque o duelo com a holandesa campeã olímpica, Sharon Van Rouwendaal. Marcela cravou 59h11min40seg e a holandesa fez 59h11min50seg.
A grande campeã foi a norte americana Ashley Twichell com 59h07min em segundo lugar, ficou a francesa Aurelie Mukker fazendo 59h10min5seg
Confira a fala da Ana Marcela após sua nova conquista: “Estou muito feliz de terminar no pódio novamente, batendo a campeã olímpica que reina, é ótimo realmente. Eu vou competir na prova do revezamento e nos 25 km, e espero conseguir mais bons resultados. O revezamento é divertido para todos, embora seja uma prova muito difícil. Eu mudei a cor do meu cabelo por diversão, e eu pretendo mudar para outra cor para os 25 km, mas será uma surpresa.”

Clique AQUI e veja o resultado completo da prova dos 5 km feminino.
Largada dos 5 km feminino. Foto Satiro Sodré
Respiração frontal de Ana Marcela. Foto Satiro Sodré
Ana Marcela na respiração lateral. Foto Satiro Sodré
AS NOVE MEDALHAS DE ANA MARCELA 

2 OUROS: - 25 km no mundial de Xangai-China em 2011;
                  - 25 km no mundial de Kazan-Rússia em 2015.

2 PRATAS: - 10 km no mundial de Barcelona-Espanha em 2013;
                   - 5 km no mundial de Kazan-Rússia em 2015.

5 PRATAS: - 5 km no mundial de Roberval-Canadá em 2010;
                   - 5 km no mundial de Barcelona-Espanha em 2013;
                   - 10 km no mundial de Kazan-Rússia em 2015;

                   - 10 km no mundial de Budapeste-Hungria em 2017;

terça-feira, 18 de julho de 2017

O holandes Ferry Weertman leva os 10 km

Ferry Weertman campeão dos 10 km no mundial de Budapeste-Hungria
O holandes Ferry Weertman é o campeão do mundo nos  10 km no Lago Balaton, na Hungria. E torna-se um dos principais nomes das Maratonas Aquáticas da história.

Weertman iniciou a prova na parte de trás do pelotão, no meio da prova ele ainda lutava pelos primeiros lugares. No início da última volta nadou Weertman figurava em nono lugar.

Nos últimos 200 m aconteceu um belo sprint entre Ferry Weertman, o francês Marc-Antoine Olivier e o norte-americano Jordan Wilimovsky, tendo como vencedor Weertman com 1h51min58seg50, em segundo lugar ficou  Wilimovsky  com 1h51min58seg60 e a terceira colocação ficou para Olivier cravando 1h51min59seg20.
Weertman bate na frente após um sprint de 200m.
Ferry Weertman saindo do lago Balaton consagrado.
HISTÓRICO INCRÍVEL
Weertman é o atual campeão olímpico de Maratonas Aquáticcas, ele venceu no Rio de  
Janeiro no ano passado, onde derrotou o grego Spiros Gianniotis numa chegada emocionante 
que só foi definida no photo finish.
Em 2015, no mundial de Kazan-Rússia, Ferry Weertman estava com 25 anos, na ocasião ele 
derrotado pelo mesmo Jordan Wilimovsky. No campeonato Europeu de  2014, disputado em 
Berlim-Alemanha ele foi ouro nos 10 km. Dois anos depois (2016), ele foi bi-campeão Europeu 
em Hoorn na Holanda.
Faltava o título de campeão mundial, e ele veio agora em Budapeste, onde ele adicionou a 
conquista ao seu belo currículo.
 
Weertman vibra com mais um título.
BRASILEIROS

O gaúcho Fernando Ponte que completa 25 anos hoje, teve um belo presente sendo o melhor brasileiro na prova, cravando 1h52min33seg10 ficando na 18ª posição, nosso outro representante, o baiano Allan do Carmo, que em 2014 foi campeão do circuito da Copa do Mundo de 10 km e também foi eleito o Melhor Atleta de Maratonas Aquáticas do Mundo FINA, ficou na 29ª colocação com 1h52min40seg70.

Confira o resultado completo, clicando no link abaixo:

http://www.fina.org/competition-detailed-results/17th-fina-world-championships-2017-men-100m-freestyle/event